quarta-feira, 23 de junho de 2010

PROJETO INTERDISCIPLINAR

      Objetivo: Levar os alunos a conversarem sobre como podemos nos prevenir contra a DENGUE.


      No auditório as turmas 2001, 2002 e 2003 trabalharão em grupo, relacionando as maneiras de prevanção contra a DENGUE. Irão pintar os mosquitos Aedes Aegypti e colar no mapa de Japeri, para destacar que 60% do município corre alto risco de contrair a DENGUE. Toda esta atividade foi filmada e a partir daí um vídeo será produzido. As professoras participantes do projeto foram Carla (História), Lilian (Língua Portuguesa) e Natacha (Geografia).


 

sexta-feira, 18 de junho de 2010

ROMANTISMO - PROSA

      Objetivos: Incentivar  o aluno a leitura de livros da Literatura Brasileira. Apresentar a obra Senhora de José de Alencar.


      A professora mostrará aos alunos o episódio 5 (Senhora) da série da TV CULTURA - Tudo que sólido pode derreter.


    

      Tudo o que é Sólido Pode Derreter é uma série juvenil que busca explorar de forma atraente e com bom muito humor o universo adolescente a partir do cotidiano de uma jovem, Thereza, que estuda na escola grandes obras da literatura de língua portuguesa, descobrindo e envolvendo-se com suas histórias.
Produzida pela Ioiô Filmes em parceria com a TV Cultura, a série é derivada do premiado curta-metragem de mesmo nome, dirigido por Rafael Gomes, que agora adapta a trama para uma construção dramatúrgica em capítulos.
      A série busca equilibrar um tom realista, de observação das dores e alegrias da personagem adolescente, e o lado fantasioso de encontro entre a vida real urbana com todo um universo ficcional distinto, que possibilita à mente jovem ousados voos associativos e imaginativos. Possui um ponto de vista bastante subjetivo. O espectador é sempre guiado pelo olhar da protagonista e a costura entre seu cotidiano e a obra por ela estudada se dá através do seu mundo e de seus sentimentos.

  Depois desta introdução um breve relato sobre o enredo deste clássico da Literatura Brasileira será apresentado.

RESUMO DO LIVRO SENHORA DE JOSÉ DE ALENCAR

     Aurélia Camargo, moça pobre, torna-se rica graças à herança do avô, recebida aos l8 anos, quando é apresentada à sociedade fluminense. Encanta a todos com sua esplendorosa beleza. Órfã, tem em sua companhia uma parenta viúva, D. Firmina Mascarenhas, mas é Aurélia quem governa a casa como bem entende. A velha senhora é uma espécie de "mãe de encomenda", forma de não chocar aqueles que se opõem à emancipação feminina.

      Sua beleza desperta o interesse de muitos rapazes, sabendo, sagazmente, os riscos que corre. Revoltando-se, às vezes, contra sua riqueza por reconhecer nela um dos motivos para tantos admiradores. Por isso, a cada um atribui um valor em contos de réis, fato que os rapazes conhecem e os diverte diante de tanta franqueza da moça.

      Aurélia tem como tutor o irmão de sua mãe, o senhor Lemos que, vez por outra, é convocado para resolver problemas sem importância. Numa determinada manhã é chamado para discutir sobre o casamento da jovem. Surpreendentemente, ela lhe apresenta um negócio a ser entabulado para a obtenção do consentimento do futuro marido. Faz referência a Manuel Tavares do Amaral, empregado da alfândega, que ajustou o casamento da filha Adelaide por um dote de trinta contos com um rapaz recém-chegado ao Rio de Janeiro.

      Solicita ao senhor Lemos que a auxilie a desmanchar esse casamento, indicando que a moça deve se casar com o Dr Torquato Ribeiro, seu verdadeiro amor, repelido por ser pobre. Pede ao tutor para dar 50 contos de réis, retirados da herança de Aurélia, como dote a Ribeiro, porque deseja se casar com o moço prometido a Adelaide. O tio deve procurar o moço escolhido e lhe propor 100 contos de réis e casamento com separação de bens, mantendo absoluto segredo sobre quem faz a proposta.

      O preferido é Fernando Rodrigues de Seixas, rapaz de poucos recursos que conheceu na infância. Vive com a mãe e duas irmãs que o veneram. Órfão aos 18 anos, abandona o terceiro ano de Direito em São Paulo, ocupando o cargo de jornalista, tendo certo sucesso na imprensa fluminense. Em sociedade apresenta-se como moço rico, em casa, leva vida simples.

      Procurado pelo velho, o rapaz de pronto se nega a aceitar o acordo, entretanto, dias mais tarde, vai encontrá-lo para aceitar a proposta, desde que lhe sejam adiantados vinte contos de réis, sem dizer em que os aplicará. O adiantamento é aceito. Seixas se decide pelo acordo porque gastou as economias maternas e agora tem de dar à irmã um dote para seu casamento. Sente-se ainda mais angustiado, quando descobre que Aurélia sabe sobre a mudança do casamento com Adelaide. Triste, humilhado, mas temendo, acima de tudo, a pobreza, decide-se, confirmando seu propósito com Lemos.

      Após receber os vinte contos de réis, Seixas é apresentado à futura noiva. Pelo trajeto, vai sufocado pela humilhação a que se submete, contudo Lemos avisa que a moça nada sabe sobre o acordo. Dias mais tarde, oficializa o pedido de casamento, prontamente, aceito por Aurélia Camargo. A sociedade fluminense fica assombrada com a notícia, não podendo crer que com tantos admiradores ricos a escolha tenha recaído sobre um marido sem fortuna. A celebração é modesta com poucos convidados e os noivos se sentem felizes. Porém, quando ficam a sós, a moça se revela de forma cruel, mostrando-lhe desprezo e mencionando o acordo de cem contos de réis.

      A mãe de Aurélia, Emília se casara com um médico pobre, Pedro Camargo, filho natural de rico fazendeiro, Lourenço de Sousa Camargo, que manda buscar o filho sem reconhecer a união. Este parte para a fazenda paterna, mas não tendo coragem para enfrentá-lo, envia cartas amorosas à esposa e dinheiro para seu sustento. Após um ano de separação, o casal se reencontra, nascendo o primeiro filho, Emílio, que o pai só conhece aos 2 meses de idade. Passam a viver algumas semanas juntos e outras separados, temendo que o velho descubra tudo e não mais os ajude. Nasce a segunda filha, Aurélia.

      Emília nada pode revelar sobre seu casamento e, por isso, leva uma vida suspeita e obscura. Apesar de tudo, Pedro sustenta a família e educa bem os filhos. Após doze anos de convivência com a esposa e 36 anos de idade, Pedro sofre um golpe cruel. O pai lhe apresenta uma noiva de 15 anos, filha de rico fazendeiro. O moço se esconde em um rancho e aí morre de febre cerebral, deixando 3 contos de réis a um tropeiro para ser levado a Emília, sem mencionar a dor pela qual está passando. Assim, faz o homem e Emília perde para sempre a alegria de viver.

      Aurélia, na infância, leva vida modesta em companhia da mãe e do irmão, criatura fraca que é sempre ajudada, em seu trabalho de caixeiro, pela moça, sobrecarregada de tarefas. Morto o irmão, a mãe começa a preocupar-se com o destino da filha, falando-lhe constantemente sobre a necessidade de se casar e de se colocar à janela, pois bonita como é, logo arranjaria pretendentes. Apesar de desgostosa, Aurélia atende aos apelos. O tio Lemos logo corre à janela, agindo como candidato, mas a moça quer reatar laços com a família materna. O tio deixa-lhe um bilhete galanteador e a menina rompe de vez a amizade.

      O próximo a se candidatar é Fernando Seixas que, conquistando a atenção de Aurélia, passa a freqüentar-lhe a casa, sentindo-se constrangido em namorar moça tão pobre. Há, ainda, Eduardo Abreu, rapaz rico e de boa família que encantado com a beleza da menina, pede sua mão em casamento, mas Aurélia ama Seixas. A mãe resolve perguntar ao eleito sobre suas intenções em relação à filha, mas sabendo do interesse de Abreu pela garota, Fernando prefere perdê-la a fazê-la sofrer com sua pobreza, mas sabendo da recusa de Aurélia, volta e a pede em casamento.

      O senhor Lemos resolve interferir nos acontecimentos e ao encontrar o pai de Adelaide Amaral lhe fala sobre as vantagens do casamento da moça, já prometida a outro, com Seixas. O pai não gosta do pretendente da filha, Dr Torquato Ribeiro, porque pobre, não tem muito futuro pela frente. Passa a se interessar por Seixas e por isso o apresenta em casa. O rapaz começa a calcular as vantagens do casamento com Adelaide e, por fim, quando o chefe da casa lhe oferece o dote de 30 contos de réis, o aceita imediatamente. Aurélia recebe uma carta anônima dizendo que Fernando a trocou pelo dote de 30 contos de réis.

      A moça fica infeliz, mas, por outro lado, reencontra o avô, que decidira reconhecer mãe e filha. Desafortunadamente, tanto a mãe quanto o avô logo falecem. Um comerciante visita Aurélia e lhe traz o testamento de Lourenço de Sousa Camargo, reconhecendo-a como herdeira universal, lhe apresentando uma lista de seus bens e explicando sobre os negócios pendentes. Os parentes, que jamais se aproximaram dela, tão logo sabem sobre a herança, correm para vê-la, inclusive o tio Lemos, munido de uma nomeação para ser seu tutor. Mas Aurélia sabe muito bem conduzir os negócios, sobretudo graças ao aprendizado adquirido com o trabalho do irmão. A menina desamparada passa a morar com a parenta afastada, D.Firmina.

      Aurélia pensa em recusar a tutela, mas logo acha interessante ter um tutor que domina. Aceita-o sob a condição de jamais viver com a família que tanto desprezara a mãe. O casamento com Fernando Seixas é acertado pelos 100 contos de réis, revelados por ela na noite de núpcias, quando expõe todo seu desgosto para com o comportamento anterior do rapaz. Diante da fúria da noiva, afirma não amá-la, só se interessando pelo dote e, portanto, está pronto para atender suas ordens. Aflita, angustiada e surpresa, ordena que ele se retire. Passam a viver sob a aparência de casal feliz, mas se martirizam com ironias e sarcasmos, levando vidas separadas quando estão longe do convívio social.

      Passado alguns meses, Fernando fica sabendo que tem direito a 20 contos de réis, resultantes de um negócio feito quando solteiro. Pede um encontro reservado com a esposa e lhe restitui com juros os 100 contos de réis, contando-lhe sobre as circunstâncias que o levaram a agir assim. Aurélia declara seu amor, diz que o perdoa, pede que ele a ame e como prova de que não o engana, mostra-lhe seu testamento, passando-lhe tudo o que tem. Por fim, se beijam e se dão por felizes.
FONTE: http://www.oartigo.com/index.php?/resumos-e-resenhas/resumo-do-livro-senhora.html
    
      Após a explanação da professora os alunos, em grupo, deverão escrever tudo que entenderam sobre o episódio e o enredo da obra Senhora de José de Alencar.

PARA OBTER A OBRA COMPLETA ENTRE NO LINK ABAIXO:

http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=2026



PARA ASSISTIR AO EPISÓDIO - SENHORA ACESSE O LINK ABAIXO:
http://www.tvcultura.com.br/tudooqueesolido/player.php?id=675






segunda-feira, 14 de junho de 2010

PRONOME


      Objetivo: Introduzir o conceito de pronome, observando sua utilização no texto.


Páginas 101 e 102 do Livro Português Linguagens.

REVISÃO DO ARTIGO DE OPINIÃO

Objetivo: revisar o texto da Olimpíada de Língua Portuguesa.

      Com o artigo de opinião feito na oficina anterior, e depois de participar das atividades para esclarecer como criar um artigo de opinião, os alunos deverão seguir o roteiro abaixo e reescrever seu artigo a fim de que o mesmo possa ficar dentro das regras da escrita de um bom texto de opinião.

ROTEIRO



1) Seu artigo parte de uma questão polêmica?
2) Você colocou o leitor a par da questão?
3) Tomou uma posição?
4) Introduziu sua opinião com expressões como "penso que", "na minha opinião"?
5) Levou em consideração os pontos de vista de opositores para construir seus argumentos? Por exemplo: "Para fulano de tal, a questão é sem solução. Ele exagera, pois...".
6) Utilizou expressões que introduzem os argumentos, como "pois", "porque"?
7) Utilizou expressões para anunciar a conclusão, como: "então", "assim", "portanto"?
8) Concluiu o texto reforçando sua posição?
9) Verificou se a pontuação está correta?
10) Corrigiu os erros de ortografia?
11) Substituiu palavras repetidas e eliminou as desnecessárias?
12) Escreveu com letra legível para que todos possam entender?
13) Encontrou um bom título para o artigo?



domingo, 6 de junho de 2010

ARTIGO DE OPINIÃO SOBRE ASSUNTO REFERENTE AO MUNICÍPIO DE JAPERI

      Objetivo: Esta oficina vai levar o aluno a escrever individualmente seu primeiro artigo de opinião.

      A professora propôs uma discussão nas turmas para selecionarem problemas e potencialidades do município de Japeri. Após esse debate um tema foi escolhido pela turma para que cada aluno produzisse seu artigo de opinião. Nas três turmas de segundo ano os temas sugeridos foram:

PROBLEMAS - Limpeza urbana, falta de emprego, violência (várias formas), falta de saneamento básico, tráfico de drogas, transporte, falta de médicos nos postos, falta de curso técnico e universitário, local para diversão.

POTENCIALIDADES - Campode golfe, fábrica de reciclagem, Pico da Coragem, Jaceruba, Festas, Atendimento médico especializado (em algumas clínicas).

      Como exemplo da produção textual feita pelos alunos nesta oficina o artigo de opinião da aluna Lidyane (2001) está descrito abaixo:

A DEMORA NO SALVAMENTO MATA VÁRIAS PESSOAS

      Em Japeri, a falta de atendimento rápido prejudica o dia a dia de trabalhadores, levando as pessoas a morte. A demora de atendimento nos postos municipais feitas por ambulâncias levam pessoas ao stresse. 
      Quem trabalha nesse ramo justifica - para eles serem liberados para o socorro a chamada passa primeiro por uma cabine de atendimento, dali para um médico, retorna para a cabine e depois chega a ambulância.
      Talvez se o socorro fosse direto para o enfermeiros especializados em primeiros socorros melhoraria o dia a dia das pessoas no município e diminuiria o número de mortes.

LIDYANE ESTRELA, aluna do segundo ano do ensino médio do CIEP 207.




 

OFICINA DA OLIMPÍADA DA LÍNGUA PORTUGUESA

      Objetivo: Iniciar a escrita de um artigo de opinião.

      Os grupos deverão responder as questões abaixo e a partir das respostas escrever seu artigo de opinião.

1) Que tema vocês escolheram?
2) Qual opinião será defendida a esse respeito?
3) Que argumentos principais serão utilizados para isso?
4)  De que fatos ou dados deve-se partir?
5) O que será escrito na "introdução" de forma que possa indicar ao leitor qual é o contexto da discussão?
6) Como serão desenvolvidos os argumentos de forma que fiquem bem claro?
7) Como se pretende concluir?
8) Que título será mais adequado para já situar o leitor acerca da tese defendida e despertar o interesse dele?

      Vários temas foram escolhidos pelos grupos a fim de desenvolver seu primeiro artigo de opinião, entre eles: A falta de emprego, A falta de assistência nos postos de saúde, Esporte, A melhoria do meio de transporte, Meio Ambiente, Educação, Violência, Vandalismo, Segurança Pública, Saneamento básico, Crack, Gravidez na adolescência, Cachoeira de Jaceruba, Escola, Pichação, As pessoas que jogam lixo nas ruas, Eventos de Japeri, Falta de sinalização no trânsito, Lixo nas cachoeiras, Pico da Coragem. 





















  

quarta-feira, 2 de junho de 2010

FELIZ ANIVERSÁRIO TIA LILIAN


      MUITO OBRIGADA PELO CARINHO E AMOR QUE VOCÊS TEM POR MIM. AMO VOCÊS!!!!