quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

CONCEITO DE SUBSTANTIVO

      Objetivo: Esta atividade tem por objetivo fazer com que o aluno crie um conceito para a classe gramatical SUBSTANTIVO.

      Apresentação do texto a seguir:


Circuito Fechado

Ricardo Ramos

     Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, telefone, agenda, copo com lápis, caneta, blocos de notas, espátula, pastas, caixa de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, cigarro, fósforo. Bandeja, xícara pequena. Cigarro e fósforo. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vales, cheques, memorandos, bilhetes, telefone, papéis. Relógio. Mesa, cavalete, cinzeiros, cadeiras, esboços de anúncios, fotos, cigarro, fósforo, bloco de papel, caneta, projetos de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. Mictório, pia, água. Táxi. Mesa, toalha, cadeiras, copos, pratos, talheres, garrafa, guardanapo. xícara. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Escova de dentes, pasta, água. Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de papel, cigarro, fósforo, telefone interno, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, relógio, maço de cigarros, caixa de fósforos. Jornal. Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapos. Quadros. Pasta, carro. Cigarro, fósforo. Mesa e poltrona, cadeira, cinzeiro, papéis, externo, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta, telefone, caneta e papel, telefone, papéis, folheto, xícara, jornal, cigarro, fósforo, papel e caneta. Carro. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista. Quadros. Mesa, cadeiras, pratos, talheres, copos, guardanapos. Xícaras, cigarro e fósforo. Poltrona, livro. Cigarro e fósforo. Televisor, poltrona. Cigarro e fósforo. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca, pijama, espuma, água. Chinelos. Coberta, cama, travesseiro.

      Após a leitura do texto os alunos farão o seu próprio circuito fechado escrevendo alguma situação do seu cotidiano (Ir a escola, ir ao trabalho, ir ao mercado etc.).
      Conceito de substantivo.

site para referência: http://www.pucrs.br/gpt/substantivos.php

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

AULA SOBRE O FILME "ESCRITORES DA LIBERDADE"




Duas aulas serão necessárias para o trabalho com o filme. Na primeira aula (09/02/10 e 11/09/10) foi feita a exibição do filme no auditório da escola. Abaixo segue um resumo do enredo:
“ESCRITORES DA LIBERDADE”

O filme trata do desafio da educação em um contexto social problemático e com muita violência. Conta a história de uma jovem professora (Erin) que inicia sua carreira em uma escola de ensino médio, lecionando Língua Inglesa e Literatura para um grupo de adolescentes com uma vasta lista de experiências de vida, sendo quase todos envolvidos com guangues.
Quando se da conta dos problemas enfrentados pelos alunos ela reinventa suas aulas, utiliza-se de materiais didáticos criativos e aulas dinâmicas e contextualizadas. Uma das técnicas adotadas por Erin é a escrita de um diário por cada um dos alunos da classe. É através deste que os alunos vão contando seus dilemas e conflitos.

Com a troca de experiências, o grupo vai se unindo e tornando-se uma família mudando a rotina de violência em que estavam habituados a viver e melhorando suas médias na escola. Após a leitura do livro “O Diário de Anne Frank”, eles ajudados pela professora Erin criaram um projeto inovador e retiraram de seus diários, suas histórias de vida e escreveram um livro que foi publicado em 1999. “O diário dos escritores da liberdade”.

AULA SOBRE O FILME "ESCRITORES DA LIBERDADE"


A segunda aula será uma reflexão sobre o filme feita em sala pelo grupo. As questões para analise foram retiradas do site: http://recantodasletras.uol.com.br/resenhasdefilmes/641978, sendo a última redigida por mim.


1- Ame ao próximo como a si mesmo. Ensino cristão baseado nas palavras de Jesus Cristo não é devidamente compreendido como deveria. As pessoas costumam levar as palavras ao pé da letra e associar esse breve e profundo enunciado ao verbo amar em seu sentido mais literal. Poucos são aqueles que extrapolam a compreensão mais imediata do vocábulo e o entendem, nesse contexto, como respeitar aos próximos, tratar os mesmos com decência ou ainda admitir as diferenças e valorizar as mesmas como parte da diversidade humana que nos leva ao crescimento. Parece que sempre queremos impor princípios, modelos, práticas e ações que levem os demais a serem parecidos conosco. Falamos em demasia e escutamos muito pouco. As próprias escolas, em particular aquelas que ainda baseiam sua ação quase que exclusivamente no modelo mais tradicional de educação, realizam monólogos e dão pouca vazão ao conhecimento e a história de vida dos alunos. Desvaloriza-se tudo aquilo que o estudante tem de experiência ao mesmo tempo em que se impõe aos mesmos, goela abaixo, saberes que são considerados “essenciais” aos mesmos... Será que não está na hora de rever tudo isso?

2- A intolerância é, sabidamente, cultural. É um conceito construído ao longo de nossas existências. A tolerância, em contrapartida, parece nascer com cada ser humano. As crianças constituem o maior exemplo disso. Não há cerceamentos e restrições no contato com outros seres humanos entre os pequenos. Para eles, o importante é interargir, brincar, trocar, tocar, abraçar, jogar,... Será que podemos aprender as lições das crianças?

3- Ler e escrever são elementos básicos da civilidade. Projetos de leitura, atividades de produção escrita regular, valorização dos livros e da literatura, espaços para a divulgação daquilo que está sendo produzido nas escolas pelos alunos no que tange a textos ou ainda a ampliação dos espaços de leitura são realidades e preocupações que vemos em nossas escolas?


4- Escreva um pequeno texto relatando as polêmicas levantadas pelo grupo e comparando a realidade do filme com a vivida por vocês em sua escola e bairro.