sábado, 7 de agosto de 2010

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILICIAS DE MANUEL ANTÔNIO DE ALMEIDA

      Objetivo: Observar a obra Memoórias de Um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida e comparar com a obra Senhora de José de Alencar.

LEIA A OBRA COMPLETA: 


Para acessar o download entre neste link: http://memorias-de-um-sargento-de-milicias.softonic.com.br/

ENREDO


Memórias de um Sargento de Milícias


FONTE: http://www.algosobre.com.br/resumos-literarios/memorias-de-um-sargento-de-milicias.html

Leonardo, o futuro sargento de milícias, filho de Leonardo-Pataca e de Maria -da-Hortaliça, é o resultado das pisadelas, beliscões e outros atos similares praticados pelo casal de imigrantes portugueses durante a travessia do Atlântico rumo ao Rio de Janeiro.

Maria-da-Hortaliça sente enjôos logo ao desembarcar e sete meses depois nasce um robusto menino, batizado com o nome do pai. A parteira - a comadre - e o barbeiro - 'de defronte' foram os padrinhos do herói, que passa junto aos pais os primeiros anos da infância. Leonardo-Pataca, que se tornara meirinho, confirma certo dia as suspeitas de que sua mulher não mantinha a mesma fidelidade que durante a viagem.

Em conseqüência, briga com ela, expulsa de casa o garoto com um enérgico pontapé e sai em busca de consolo. Ao retornar à tarde, em companhia do compadre e padrinho do menino, é informado de que Maria-da-Hortaliça, saudosa da pátria, tinha fugido e embarcado novamente, rumo a Portugal, a convite do capitão de um navio que partira pouco antes. Logo a seguir, Leonardo-Pataca vai viver com uma cigana, que, por sua vez, também o abandona.

Enquanto isso, Leonardo, o filho, adotado pelo padrinho, que muito se afeiçoara a ele, vai crescendo e a cada dia se revela mais briguento e travesso, prenunciando futuros envolvimentos com o famoso major Vidigal, que era o terror de todos os malandros e baderneiros da época.

O padrinho, com infinita paciência, tenta encaminhar o menino na prática da religião para qual este não revela grandes pendores. Coloca-o na escola e o ensina a ajudar a missa. Se na escola se revela um péssimo aluno e colega, na Igreja da Sé, onde consegue ser sacristão, vê a melhor oportunidade para grandes travessuras, como o experimenta o mestre-de-cerimônias. Este, um padre de meia idade, virtuoso por fora, mas bastante diferente por dentro, envolve-se com uma cigana, a mesma, aliás, com quem Leonardo-Pataca vivera depois da fuga de Maria-da-Hortaliça. O sacristão se vinga das reprimendas que sofre por suas constantes travessuras levando os fiéis a tomarem conhecimento dos fatos, o que faz com que seja expulso e deixe a igreja da Sé.

Para desgosto do padrinho e da madrinha, que queriam encaminhá-lo em uma profissão, Leonardo não demonstra qualquer interesse. Prefere a vida livre da vadiagem e das brincadeiras. Certo dia, em casa de Dona Maria, uma mulher das vizinhanças, conhece a sobrinha desta, Luisinha, sua futura mulher. Até que o casamento se realizasse, porém, muita coisa, iria acontecer. Leonardo-Pataca, depois de vencer o mestre-de-cerimônias na disputa pela cigana, é abandonado novamente por esta e passa a viver com a filha da parteira, Chiquinha. Daí nascem uma filha e grandes confusões, pois Chiquinha e Leonardo se detestavam e a parteira é chamada continuamente para serenar os ânimos. Por esta época aparece em cena José Manuel, um rival do futuro sargento de milícias em seu amor por Luisinha. Apesar dos esforços da comadre para afastá-lo do caminho, ela não tem sucesso. Além disso, a morte do padrinho e as contínuas brigas com Chiquinha fazem com que Leonardo saia de casa e passe a vagabundear pelos subúrbios da cidade, quando conhece Vidinha, uma mulata sensual, de olhos pretos e lábios úmidos, pela qual se apaixona imediatamente. Como Vidinha tinha outros pretendentes, cria-se grande confusão, o onipresente major Vidigal intervém e Leonardo consegue fugir, deixando-o furioso. Mas a vida continua e, com proteção da comadre, o Leonardo entra para as hostes do major Vidigal, não revelando, naturalmente, grande amor por esta nova profissão e passando boa parte de seu tempo na prisão por indisciplina. Sempre com a proteção da comadre, que recorre à ajuda de Maria Regalada, um antigo amor de Vigida, Leonardo supera todas as adversidade, chegando ao posto de sargento de milícias.

Assim, o final feliz se aproximava. José Manuel, o rival de Leonardo no amor por Luisinha, revela-se péssimo marido e, além do mais, morre providencialmente, deixando-a viúva e livre para casar com o sargento de milícias. Passando o tempo indispensável do luto, Leonardo, em uniforme da tropa, recebe Luisinha como mulher, na mesma igreja da Sé que fora palco de suas grandes travessuras como sacristão.


fonte: http://vestibular.uol.com.br/testes/quiz_literatura_memorias2004ve.jhtm
Memórias de um Sargento de Milícias
Veja se você assimilou bem a história que Manuel Antônio de Almeida escreveu em "Memórias de um Sargento de Milícias"
*Teste feito pelo Stockler Vestibulares

1. Leonardo é dito "filho de uma pisadela e de um beliscão" porque:
não lhe são conhecidos os verdadeiros pais e essa é uma forma de mostrar-se que tem origem desconhecida.
o pai, Leonardo Pataca, e a mãe, Maria da Hortaliça, agrediam-se costumeiramente em suas brigas.
foi dessa maneira que seus pais começaram seu relacionamento, em um navio, a caminho do Brasil.
essa seria uma forma de desmistificá-lo perante o leitor.
porque ele sofria violências constantes em seu lar.

2. Aponte a alternativa incorreta:
Manuel Antônio de Almeida publicou um romance apenas, denominado Memórias de um Sargento de Milícias.
O romance em questão foge aos padrões estabelecidos para as obras do Romantismo.
A obra passa-se na segunda metade do século XIX, época em que D.João VI estava no Brasil ("Era no tempo do rei").
Para poder escrever o romance, o autor teve que recolher informações com um companheiro de trabalho que vivenciara a época retratada.
Leonardinho é um anti-herói, seguindo o modelo do herói picaresco espanhol.

3. Com relação a Memórias de um Sargento de Milícias, não podemos afirmar que:
O "canto dos meirinhos", citado no início do romance, era um local da cidade do Rio de Janeiro onde se reuniam tais funcionários do poder Judiciário.
Os meirinhos eram bastante considerados no tempo do rei.
Os meirinhos de hoje são exatamente iguais aos daquele tempo, "gente temível e temida, respeitável e respeitada".
As condições físicas dos meirinhos influíam, para que fossem respeitados.
Meirinhos e desembargadores exerciam as mesmas funções, fechando um círculo Judiciário.

4. "Tratou-se de resolver uma importante questão: para a companhia de quem iria o Leonardo? A abertura do testamento, feita nesse mesmo dia resolveu a questão." O segmento refere-se:
À morte de Leonardo Pataca, que deixa para o filho todos os bens que adquirira em vida.
À morte do Compadre, que fez do rapaz seu herdeiro universal.
À morte de D.Maria, que legara a Leonardo sua fortuna, para que este cuidasse de Luisinha.
À morte da Comadre, que, por não ter filhos, deixou seus humildes pertences para o afilhado.
À morte de Maria da Hortaliça, que, bem casada em Portugal, torna seu filho e herdeiro um verdadeiro magnata.

5. Vidinha é:
a sobrinha de D.Maria, que fica em sua companhia após uma demanda.
a esposa do toma-largura, com quem Leonardo é pego tomando sopa, sendo perseguido pelo marido enciumado.
uma mulata bonita que vive com o Major Vidigal.
uma jovem que vive somente com três primos em uma casa do subúrbio do Rio de Janeiro.
uma apreciadora de modinhas que cantava e deixava Leonardo encantado.

6. Das alternativas seguintes, seria verdadeiro afirmarmos que:
O Major Vidigal é responsável pelas prisões de Leonardo, mas também por sua nomeação como grana­deiro e sargento de milícias.
O Compadre conseguira enriquecer tão somente graças a seus esforços pessoais, na profissão de barbeiro.
Maria da Hortaliça não era uma mulher honesta, porém se mostrou mãe dedicada e amorosa.
Luisinha amava José Manuel, o que a fez trocá-lo por Leonardo.
Leonardo e Chiquinha realizaram seu sonho e tiveram uma filha calma e assentada.


2 comentários: